18/04/2013

Pão escuro meio integral {e um sentimento de felicidade inexplicável}

Pão escuro, com uma côdea torrada que baste, leve e arejado ao contrário de muitos integrais que teimam em ficar pesados, com um toque adocicado que o transforma num pedaço de sabor logo pela manhã. Eu sou suspeita, muito suspeita porque sempre gostei de pão. Desde pequena que via a minha avó a amassar a broa de milho pelo menos uma vez por semana e este gostinho de pôr a mão na massa só ficou adormecido por algum tempo.
O pão era amassado nuns recipientes próprios de madeira, as gamelas, porque a dose era familiar e para durar quase uma semana. O forno de lenha era limpo e aquecido cuidadosamente num ritual feito quase de olhos fechados. O fogo a enrolar no seu interior nunca me causou medo, mas agora que penso nisso, estranho pois era algo assustador. Depois desta revolta de fogo, as brasas eram afastadas para dar espaço e o pão era cuidadosamente colocado no fundo do forno.
Sempre, mas sempre, era feito um pão mais pequenino para mim, que era comido ainda morno, sem manteiga nem nada. Na porta do forno, já não sei porquê, era colocado um pedaço de massa espalmado como se fosse uma bolacha. 
Estas memórias que me acompanham, vêm sempre ao cimo quando faço pão, especialmente este que levou farinha de milho.
A sensação de cortar a primeira fatia, ainda com alguma dificuldade pois a gula não deixa esperar o tempo devido, em que a manteiga derrete mal lhe toca, trás-me um sentimento de felicidade e paz que não consigo explicar.

Ingredientes:
(Adaptado do livro "200 receitas de pão")
250 ml de leite
3 colheres de sopa de açúcar mascavado escuro
1 colher de chá de sal
175 g de farinha integral T150
175 g de farinha de trigo T65
50 g de farinha de centeio
50 g de farinha de milho
1 + 1/4 de colher de chá de fermento biológico seco

Preparação na MFP:
Retire a cuba da máquina e introduza primeiro os ingredientes líquidos e depois os sólidos.
Escolha o programa para massa integral, pois este programa tem um tempo de pré-aquecimento maior que faz com que os grãos fiquem de molho mais tempo nos líquidos e se expandam convenientemente resultando num pão mais leve.

Nota:
Para um pão com frutas, basta juntar 75 g de frutas secas sem caroço (figos, ameixas ou tâmaras) e acrescentar na mistura quando ouvir o sinal sonoro.

19 comentários:

Addicted disse...

A minha sogra ainda faz a broa em casa assim...e é tão calmante assistir a esse ritual!
O teu pão está uma tentação, com aspecto fofo e côdea qb.
beijinhos e um bom dia :)

São Ribeiro disse...

Um pão lindo e bem ao meu gosto.
Bjs

Ondina Maria disse...

hmmm, que até lhe sinto o cheirinho. Mas impus algumas regras a mim própria e pão só ao pequeno-almoço, sem a minha adorada manteiga, que foi substituida por uma fatia de queijo e outra de fiambre de perú. Só ao fim de semana é que como pão com manteiga. Não se pode ter tudo e tenho que perder 3 kilinhos que insistem em não ir embora :)

Rainbow disse...

Olá bom dia, partilho de memórias semelhantes... ver a minha avó materna a amassar a broa de milho na gamela, saudades :)
Recordo-me que também não conseguia esperar, assim que saía do forno, comia logo... muito bom, com manteiga ou sem manteiga.
Ficou lindo o pão :)Vou experimentar, pode ser?!
Muito obrigada porque com esta história recordei a minha com a minha querida avó :)

Luisa Alexandra disse...

Tem um interior delicioso!

Fornadas de Miminhos disse...

Ai que delícia!! Estou a babar :)

Beijinhos,
Mafalda

Katia Santos disse...

Bom dia,

Adoro pão assim...guloso :)
Parabens :)

Bjinho

Katia
http://entretachosebimby.blogspot.pt/

Mª João - Ponto de Rebuçado Receitas disse...

Lindo, este pão...
Adorei a descrição, lembrou-me os fins de semana passados na terra do meu pai, onde as mulheres da aldeia se reuniam para bater o pão numa gamela enorme, uma em cada ponta. o pão era cozido no forno da minha tia (o maior da aldeia) e distribuído por todos, para a semana. Eu ficava a ver os pães a crescer no forno a lenha, ansiosa, para comer uma fatia quente com manteiga.
um beijinho

Doces em Casa disse...

O pão está absolutamente perfeito.
Quente quente com mantequilla logo pela manhã...ai, ia cair mesmo bem!

**
Aida

Joana (Palavras que enchem a barriga) disse...

Tanto o pão como a tua descrição deram-me vontade de saltar para a cozinha e fazer esse pão! Mas como só tenho MFP em casa dos meus pais vai ter de esperar até ao fim-de-semana ;)

Beijinhos e tem um bom resto de dia! :D

Lenita disse...

Guardo com muito carinho memórias semelhantes, fazer pão e broa com a avó e com uma tia muito querida. O ritual de acender o forno, o pão amassado na maceira, não havia massa tipo bolacha na porta, mas esta era selada com a massa do pão. E o cheirinho que se espalhava pela casa inteira... que saudades.
Adoro fazer pão e desde que tenho a MFP passou a ser um ritual frequente, embora prefira leva-lo ao forno.
Este teu pão está fantástico, com uma linda cor e aposto que muito bom também.
Bjs

Noelia Policarpo Dias disse...

Ficou com um aspeto fabuloso!!!
Vou tentar adaptá-lo à bimby.
Beijinhos

Lurdes Losquinhos disse...

Tem um aspeto delicioso!
Bjs

Iza disse...

Está com um aspecto de-li-ci-oso! Agora ia uma fatia :)

Ana Rita disse...

Vera,
Partilho dessas memórias e sentimentos que descreves te!!Parece que estavas a escrever exactamente o que se passava na casa da minha avó,apenas faltou o queijinho fresco (bem fresco!) que cortava fatias bem grossas e que colocava no pão fumegante!! Que belas memórias temos....
E foi dessa altura que fiquei apaixonada por pão e por fazê-lo para que pudesse sentir o cheiro da massa a levedar, do fermento ácido e depois do cheirinho que tem ao cozer....
O teu pão tem um ar rústico e pesado mas a massa parece leve e fofa..Vou sem duvida experimentar!
Bjoka
Rita

Comida de conforto disse...

Que pão tão lindo Vera! Esta tua receita, deu-me vontade de acabar com as férias
da minha MFP :)
Na minha infância, o pão também era cozido num grande forno de lenha, em grandes quantidades( éramos uma família numerosa) e, no nosso caso, era pão centeio.
Quando saía do forno, quentinho, adorava pôr-lhe azeite e açúcar. Memórias boas, que me trouxeste...
Beijinhos

Josy disse...

Vera que pão belissimo, seu relato me fez lembrar minha infância as voltas com mamãe ajudando amassar os pães, pães perfumados e feitos com tanto carinho por ela. Adorei, imagino-o quentinho com uma manteiguinha, um sonho. Ficou um encanto. Beijocas

soblushed in USA disse...

Tenho pena que não pude amassar o pão com a minha avó... adorava ter aprendido com ela..mas era pequena e não tinha força p amassar! hj, adoro fazer pão! isso da massa a tapar a porta do forno é para evitar fugas de ar e manter temp e humidade do forno. ela tb o fazia.

Sérgio Freitas disse...

Como preparar este pão na bimby??

Posts relacionados Plugin for WordPress, Blogger...
blog design by WE BLOG YOU